Magic - Spellfire - Jihad os pioneiros dos card games

Quem já foi criança com certeza se lembra de seus tempos de figurinhas, eu mesmo tinha coleções de todos os tipos, como “ploc monster, ping pong, ping pong gigantes, pantanal, Amazônia, figurinhas de jogadores” , etc… Até mesmo aquelas figurinhas da copa 90 que vinha na Elma chips. Altas partidas de figurinhas eram disputadas para se conseguir as que ainda não tinham, e o mercado de escambo estava em alta, trocas e mais trocas desses itens de cobiça da molecada. As mais difíceis de encontrar então eram motivos para brigas e muito mais. Pois bem se você cresceu e acha que acabou essa vida, está enganado. Você cresce e com você cresce também as opções do “colecionáveis”, uns colecionam miniaturas, réplicas, filmes e tantos outros itens que existem no mundo “adulto”.

alguem se lembra desse?

No universo do RPG não é diferente, aos que jogam e curtem o tema, existem livros , miniaturas de personagens e muitos outros artigos que você pode colecionar. E foi nesta idéia que as empresas lançaram os cardgames que temos hoje. O que muda das figurinhas da sua infância? O que muda agora é que as partidas não são mais resolvidas no “bafo, no bico de pato, na viradinha” e sim se resolve ali na batalha, guerreiro com guerreiro, magias, artefatos e o que mais for preciso para que o adversário fique sem reação. Você não ganha mais figurinhas do adversário, destrói  seus reinos e seus impérios, aniquila suas tropas e assim por diante.

Pesquisando por ai  acabei descobrindo que a poucos anos travavam uma batalha dura 3 grandes nomes desses cardgames pioneiros  (ou figurinhas de gente grande), o Magic the Gathering – Vivo até hoje e mandando no pedaço, o Spellfire Master the Magic – extinto mas ainda mantém um grupo de jogadores, neste ao qual eu faço parte 😛 – e o Jihad.

Três cards todos importados que chegaram fazendo estrago, até mesmo quem nunca tinha jogado uma partidinha sequer de RPG acabou entrando na onda dos cards e colecionando.

Os baralhos trouxeram em sua fórmula a mistura que lhes garantiram a sobrevivência, todos misturavam fantasia, estratégia, englobavam os temas típicos do RPG que vão do medieval ao terror e também os jogadores ainda contam com a sorte.

Os números de cartas publicadas desses jogos são tantas que muitos nem jogam, apenas compram para colecionar, o que os mantém vivos até hoje, até mesmo o spellfire que nem se fabricam mais. No início de tudo as partidas valiam cartas, cada jogador tinha que puxar uma carta aleatória do seu deck que seria a premiação do vencedor, não sei se aqui no Brasil essa mecânica de jogo chegou a funcionar, mas pelo menos hoje nos campeonatos as premiações se mantém sendo as cartas, o que ajuda ao colecionadores-jogadores.

Vamos então agora entender um pouco mais desses jogos que disputaram mercado na década de 90:

Magic the Gathering

Carta do Magic

Fabricante: Wizard of the Coast

Existe um lugar chamado Dominia, magos com poderes fantásticos lutam entre si em uma guerra milenar. Vence aquele que manipular sua magia com sabedoria, e que souber aproveitar melhor os recursos místicos de Dominia. No Magic você é um desses magos e seu baralho se torna sua fonte de magia. Cada jogador é um mago com um numero de pontos de vida, ai o final você já imagina… Quem perder seus pontos de vida primeiro perde.

O Magic se mantém líder no mercado hoje, com quase nenhuma concorrência de significação simplesmente passeia pelo mercado, lançando novos materiais com muita freqüência.

Spellfire Master the Magic

Carta do Spellfire

Fabricante: TSR

Imagine-se como uma entidade ponderosa, empenhada em conquistar todo um mundo, Faça crescer seu domínio com a conquista de novos reinos e proteja-os dos ataques e cercos inimigos ao mesmo tempo em que ataca reinos inimigos. Junte tudo isso a um exército dos mais variados tipos de guerreiros, sendo eles heróis, monstros, reis e até mesmo os grandes e poderosos dragões. Achou muito? Ainda não acaba por ai, todo esse seu exército ainda tem em mãos magias, itens mágicos e artefatos poderosos que combinados da forma adequada são capazes de travar verdadeiras batalhas épicas.

Quando o Magic surgiu no mercado e começou a ganhar espaço, a TSR viu o risco que seu projeto corria, e lançou então em seguida o Spellfire, um jogo baseado no seu produto mais popular o AD&D. O jogo incluía todos os personagens e mundos presentes em seus mais diversos materiais.

A dinâmica do jogo é simples, no seu turno você pode colocar um novo reino sob seus domínios e sair para destruir reinos inimigos ao posso que protege os seus. Vence quem manter um império com 6 reinos.

Apesar da dinâmica simples e combates bem elaborados o jogo infelizmente não alavancou, e acabou que por fim a TSR fechou o jogo saiu de circulação e hoje os grupos que mantêm os jogos vivos, são de colecionadores que comercializam suas cartas entre si.

Jihad

Fabricante: Wizard of the Coast e White Wolf

Pra quem não curte muito esse lance de duende, herói, anão, elfo, etc e etc… a Wizard em parceria com a White Wolf lançaram o Jihad, jogo baseado no mundo dos vampiros, e no Vampire the Masquerade, o RPG de terror mais famoso de todos os tempos.

A dinâmica é a mais simples de todas, um simples “pega pega”. Cada jogador é um Methuselah, e deve perseguir outro enquanto também é perseguido. Vence quem ganha mais.

Cada jogador tem como recursos a opção de conseguir aliados vampiros, e equipá-los com poderes e itens que os deixem mais poderosos. As regras do jogo são bem parecidas com as regras do jogo de mesa mesmo por isso são bem mais complexas que os outros 2 jogos anteriores.  Ponto importante: aos que conhecem sabe… quanto mais velho o vampiro mais poderoso ele é.

Jihad foi muito pouco divulgado por aqui, por isso hoje o Magic toma conta do mercado e a linha de suporte que a Wizard dá ao Magic é incomparável.

Particularmente não gosto do Magic, embora goste dos produtos da Wizard, o Jihad não cheguei a conhecer, o que é uma pena… já que sou fã do Vampire Masquerade,  Lobisomem o apocalipse. Mas o spellfire  conheço, jogo e comecei a colecionar, uma pena que foi extinto, mas no final da uma certa importância as cartas que conseguimos.

Hoje existem uma infinidades de cardgames do gênero, para todos os gostos, mas se você procura um bom jogo, com uma boa base no RPG eu indico o Spellfire. Foi isso que me atraiu no jogo, você joga com os personagens que já conhece pelas histórias de RPG o que deixa tudo muito mais interessante.

Então é isso moçada – parabéns ao magic por se manter onde está hoje, vida longa ao “que sobrou” do spellfire e até uma próxima pro Jihad.

Nos sites dos respectivos fabricantes menos a TSR existem mais opções de cardgames, se tiverem a curiosidade basta dar um click por la.

Abraço